Revista Medicação Ed. Out/Dez 2019
Artigo da Coluna DESTAQUE CIENTÍFICO

USO RACIONAL DA DOSAGEM DA VITAMINA D

A Vitamina D é uma vitamina lipossolúvel, que age como hormônio, estimula a absorção intestinal de cálcio e atua na manutenção de níveis adequados de fosfato para a mineralização, crescimento e remodelação óssea. (Medical Advisory Secretariat. Health Quality Ontario., 2010) É sintetizada na pele, a partir da ação dos raios ultravioleta em precursores e depois… Read More »

A Vitamina D é uma vitamina lipossolúvel, que age como hormônio, estimula a absorção intestinal de cálcio e atua na manutenção de níveis adequados de fosfato para a mineralização, crescimento e remodelação óssea. (Medical Advisory Secretariat. Health Quality Ontario., 2010)

É sintetizada na pele, a partir da ação dos raios ultravioleta em precursores e depois hidroxilada no fígado e no rim. A forma 25 hidroxi Vitamina D (25OHVitD) é produzida no fígado e é comumente dosada pelos laboratórios, para determinar a deficiência da Vit. D, enquanto a forma 1,25 dihidroxi Vitamina D (1,25OHVitD) decorre da hidroxilação renal e é a forma biologicamente ativa, que atua nos ossos para mobilização do Cálcio armazenado e no intestino, estimulando a absorção de cálcio e fósforo, a fim de manter os níveis séricos adequados de Cálcio e Fósforo. (Santos Junior et al., 2011)

Vários estudos têm sido publicados nos últimos anos, associando a deficiência da Vit. D a uma lista ampla de patologias, como câncer, hipertensão, esclerose múltipla, artrite reumatoide, fraqueza muscular e diabetes, mas em sua grande maioria, não são conclusivos quanto a sua correlação com estas patologias. (Zhang e Naughton, 2010)

A deficiência de Vit. D é muito comum e prescrições para sua dosagem e suplementação têm sido cada vez mais frequentes, com aumento exponencial dos gastos em saúde, justificando a necessidade de se estabelecer regras para estas atividades. (Cesareo et al., 2018)

A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/ Medicina Laboratorial e a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia publicaram um posicionamento oficial sobre o tema, onde definem os grupos de risco que devem ser investigados para a hipovitaminose, recomendações para sua dosagem e valores de referência, de acordo com a idade e características clínicas. (Ferreira et al., 2017)

 

As recomendações atuais sugerem:

(1) Valores de referência para 25OHVitD: acima de 20 ng/mL para a população em geral e acima de 30 ng/mL para os grupos de risco;

(2) A dosagem da 25OHVitD esta indicada para indivíduos destes grupos de risco: acima de 60 anos; que não se expõe à luz solar; com quedas e/ou fraturas recorrentes; gestantes e lactantes; portadores de osteoporose, doenças osteometabólicas, doença renal crônica, doenças de má absorção, como bariátricos e doenças inflamatórias intestinais; e em uso de medicações que afetem a formação e degradação da Vit. D, como antirretrovirais, glicocorticoides e anticonvulsivantes;

(3) Para o tratamento da deficiência de Vit. D, recomenda-se a exposição solar e suplementação oral com Vit. D2 ou D3 em pacientes em tratamento com drogas com atividade óssea e/ou indivíduos com deficiência comprovada; as doses, moléculas e modalidades de administração variam conforme o indivíduo;

(4) Não se recomenda o monitoramento da reposição da Vit. D, devido a sua ampla faixa terapêutica. Em condições específicas, a dosagem da 25OHVitD pode ser realizada após 6 meses de tratamento. (Cesareo et al., 2018)

 

REFERÊNCIAS:

Cesareo, R. et al. (2018) “Italian association of clinical endocrinologists (AME) and Italian chapter of the American association of clinical endocrinologists (AACE) position statement: Clinical management of vitamin D deficiency in adults”, Nutrients, 10(5), p. 1–22. doi: 10.3390/nu10050546.

Ferreira, C. E. S. et al. (2017) “Consensus – reference ranges of vitamin D [25(OH)D] from the Brazilian medical societies. Brazilian Society of Clinical Pathology/Laboratory Medicine (SBPC/ML) and Brazilian Society of Endocrinology and Metabolism (SBEM)”, Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. SBPC, SBP, SBC, 53(6), p. 377–381. doi: 10.5935/1676-2444.20170060.

Medical Advisory Secretariat. Health Quality Ontario. (2010) Clinical utility of vitamin D testing: An evidence-based analysis, Ontario Health Technology Assessment Series.

Santos Junior, E. P. et al. (2011) “Epidemiologia da Deficiência de Vitamina D”, Revista Científica do ITPAC, 4(3), p. 1–5.

Zhang, R. e Naughton, D. P. (2010) “Vitamin D in health and disease: Current perspectives”, Nutrition Journal. BioMed Central Ltd, 9(1), p. 65. doi: 10.1186/1475-2891-9-65.

Notícias Recentes

MANIFESTAÇÃO DA SMCC SOBRE MUDANÇAS NAS REGRAS DA CNRM

MANIFESTAÇÃO DA SMCC SOBRE MUDANÇAS NAS REGRAS DA CNRM

No dia 17 de abril de 2024, nós fomos surpreendidos por uma decisão UNILATERAL do governo federal, que mudou drasticamente as regras da CNRM (Comissão Nacional de Residência Médica). Através do decreto 11.999, sem nenhum conhecimento ou consulta prévia feita às...