Simpósio do Departamento de Medicina de Família e Comunidade debate Saúde Planetária

28 jun, 2021 | Notícias

O Departamento Científico de Medicina de Família e Comunidade realizou no último sábado, 19, o VI Simpósio Campineiro de Medicina de Família e Comunidade, com o tema “Saúde Planetária: o que tenho a ver com isso?”. O evento, virtual, ainda pode ser acessado no canal do Youtube da SMCC, no link https://www.youtube.com/watch?v=RDx1GUOaPkE.

O simpósio contou com o apoio da Liga Acadêmica de Medicina de Família e Comunidade (Faculdade São Leopoldo Mandic), Liga da Saúde da Família e Comunidade (Unicamp) e Liga Interdisciplinar de Saúde Coletiva e da Família (Puc Campinas), que, juntas, formam a Superliga de Medicina de Família e Comunidade da SMCC.

O evento foi aberto pelo coordenador do Departamento Científico de Medicina de Família e Comunidade, Dr. Giuliano Dimarzio, e contou com a presença do Dr. Enrique Falceto de Barros (WONCA, IEA-USP e Universidade Caxias do Sul); do secretário de Meio Ambiente de Campinas, Rogério Menezes de Mello; da presidente do Condema (Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente) de Campinas, Maria Helena Novaes Rodriguez; do Dr. Paulo Saldiva (FMUSP) e da Dra. Zeliete Zambon, presidente da SBMFC (Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade).

Dr. Barros iniciou as palestras com o tema “Cuidado à Saúde Planetária: novo atributo da APS (Atenção Primária à Saúde) – delírio ou necessidade?”. Ao explicar o que é saúde planetária, ele ressaltou que a expectativa de vida das pessoas vem melhorando, a pobreza e a mortalidade infantil vem caindo, mas que, para atingir essa qualidade de vida, estamos usando muitos recursos do planeta: emissão de carbono, derrubada de floresta, uso de água, etc. “O impacto planetário é tão grande que a gente diz que é uma nova época geológica, seria a época do ser humano”, diz. “É o movimento da sociedade humana, da civilização humana que mais impacta, mais deixa registros fósseis e geológicos”, afirma. Durante sua explanação, ele falou como esse novo contexto ambiental interfere na qualidade de vida e também nos riscos de morte.

O secretário de Meio Ambiente dividiu sua abordagem em três partes: a relação entre a pandemia e a degradação ambiental; a política nacional que, para ele, tem uma postura antiambiental inédita; e a situação ambiental de Campinas, os problemas e as ações, entre elas, saneamento básico e recuperação de áreas verdes. “Na raiz da pandemia, existe a degradação dos sistemas naturais. O que vem acontecendo crescentemente é o impacto sobre os biomas que abrigam todas as populações de fauna silvestre”, avalia. Segundo ele, isso está acontecendo cada vez mais no entorno de grandes cidades. Mello destacou que a pandemia não é uma surpresa, já que o intervalo entre as pandemias tem sido cada vez menor. Ele citou que nos últimos 28 anos, houve sete epidemias com vírus. “Isso tem a ver com o maior contato entre animais silvestres e populações humanas densamente povoadas em grandes centros urbanos”, afirma.

Maria Helena fez uma análise dos principais pontos mencionados por Mello em relação às ações já realizadas e as que precisam ser feitas em Campinas. Para ela, quando falamos em Medicina de Família e Comunidade, precisamos pensar em construir a educação ambiental. “A saúde planetária tem que ser essa mudança de paradigma de saúde e de visão do planeta. E nós podemos conseguir isso tratando mais da articulação entre os diversos extratos da população: aqueles que têm o conhecimento e aqueles que não têm, mas que podem conseguir”, sugere.

Dr. Saldiva fez uma análise da evolução da civilização e dos impactos do crescimento das cidades. “Doenças que estavam nos bichos pulam para você. Quando se coloca muita gente junta em um mesmo ambiente insalubre, gera adoecimento e contagiosidade. Pandemias só foram possíveis em cidades”, comenta. Ele disse, ainda, que esse cenário gera outros problemas. “No momento que você produz excesso de riqueza, alguém planta, outro armazena, outro vende e outro manda. Aí você começa a criar estruturas de desigualdade e também o medo do futuro”, diz.

Para ele, o conceito de saúde planetária pode ser extrapolado para o conceito de saúde urbana. “Mais de 70%, 80% das pessoas estão na cidade. O conceito de saúde planetária, de saúde urbana não é só fazer a saúde dos habitantes urbanos, é fazer com que a saúde dos habitantes urbanos seja promovida, mas mantendo o equilíbrio com os recursos naturais do sistema”, afirma. Ele apresentou uma série de dados sobre o impacto ambiental na saúde dos seres humanos.

A última apresentação, feita pela Dra.Zeliete, ressaltou a importância da saúde planetária, tema que será discutido no 16º Congresso Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, que acontecerá de 19 a 22 de agosto. Inicialmente previsto para ser presencial, o evento foi transformado para o formato on-line. Ela apresentou os seis eixos do congresso, com os principais temas em pauta.

Na avaliação do Dr. Dimarzio, o simpósio trouxe excelentes discussões acerca do tema principal, com abordagens muito relevantes. “Foi extremamente positivo”, sintetizou.

Notícias Recentes

SMCC promove evento sobre assédio no ambiente de saúde

SMCC promove evento sobre assédio no ambiente de saúde

Encontro será no dia 20 de junho para profissionais da área de saúde A Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas (SMCC) realizará no próximo dia 20 de junho, das 19h às 21h, um evento importante para profissionais de saúde: "Assédio no ambiente de saúde: como...