Seja um doador de órgãos e salve vidas

5 out, 2021 | Notícias

Setembro Verde é o mês de conscientização e incentivo para a doação de órgãos. E hoje, 27 de setembro, é o Dia Nacional de Doação de Órgãos. Um único doador pode salvar a vida de várias pessoas, já que é possível doar mais de um órgão e também tecidos. Para ser um doador, é fundamental comunicar essa decisão à família, que é quem vai consentir ou não a autorização para a equipe médica realizar o procedimento.

“A doação de órgãos é um ato em que a pessoa que doa não sabe quem vai receber e não se importa com isso. E a pessoa que recebe agradece a alguém que ele não conhece, mas sabe que o seu ato é de bondade e de doação”, explica o neurologista e médico intensivista Dr. Luiz Antônio da Costa Sardinha, coordenador da OPO (Organização de Procura de Órgão) do HC da Unicamp e membro da SMCC.

De acordo com ele, em 1997, foi criada uma lei que obrigava a pessoa que quisesse ser doadora de órgãos a especificar isso em seu documento pessoal. No entanto, a partir de 2001, voltou-se a solicitar a autorização para a família.

Para que uma pessoa seja doadora de órgãos, é necessário o diagnóstico de morte encefálica, ou seja, morte das células do Sistema Nervoso Central, que determina a interrupção da irrigação sanguínea ao cérebro, incompatível com a vida, irreversível e definitiva. Esse diagnóstico deve ser feito por dois médicos capacitados e confirmado por um terceiro médico.

Podem ser doados órgãos ou tecidos. “Os órgãos que podem ser doados são pulmão, coração, fígado, rins e pâncreas e até o que chamamos de multiviscerais, que são pequenos segmentos tanto do intestino fino quanto do intestino grosso, e também os tecidos: as córneas, os ossos, as peles, as válvulas cardíacas e os ligamentos ósseos”, explica Dr. Sardinha.

Após efetivada a doação, a Central de Transplantes do Estado é comunicada e, através do seu registro de lista de espera, seleciona seus receptores mais compatíveis.

Também é possível ser um doador de órgãos vivo. Neste caso, a pessoa deve ser maior de idade e juridicamente capaz. Ela pode doar para familiares. Doação para pessoas que não sejam da família são permitidas, mas com autorização judicial prévia. Em vida, é possível doar parte do fígado, parte da medula, um dos rins e parte dos pulmões. O médico deve fazer uma avaliação da pessoa e das doenças prévias. Também é necessário ter compatibilidade sanguínea. Além disso, são feitos testes especiais para selecionar o doador com maior chance de sucesso.

Confira, no link abaixo, o vídeo que o Dr. Luiz Antônio da Costa Sardinha gravou sobre o tema:




Notícias Recentes

MANIFESTAÇÃO DA SMCC SOBRE MUDANÇAS NAS REGRAS DA CNRM

MANIFESTAÇÃO DA SMCC SOBRE MUDANÇAS NAS REGRAS DA CNRM

No dia 17 de abril de 2024, nós fomos surpreendidos por uma decisão UNILATERAL do governo federal, que mudou drasticamente as regras da CNRM (Comissão Nacional de Residência Médica). Através do decreto 11.999, sem nenhum conhecimento ou consulta prévia feita às...