Página Inicial 9 Notícias 9 Obesidade infantil é uma doença séria e precisa ser prevenida

Obesidade infantil é uma doença séria e precisa ser prevenida

Classificada como doença pelo American Medical Association desde 2013, a obesidade é uma epidemia global, que atinge pessoas de todas as idades, sexo e classe social. O dia 3 de junho é marcado como o Dia de Conscientização Contra a Obesidade Mórbida infantil. Aproveitamos esta data e conversamos com a endocrinologista Dra Sylka D´Oliveira Rodovalho, que é coordenadora do nosso Departamento Científico de Endocrinologia e Metabólica, sobre a obesidade infantil.

Dados do Ministério da Saúde mostram que o Brasil tem 2,4 milhões de crianças com sobrepeso, 1,2 milhão com obesidade e 755 mil com obesidade grave. Este é um problema sério, que precisa ser prevenido e combatido. A obesidade causa várias comorbidades, problemas sociais e psicológicos que podem prejudicar significativamente a qualidade de vida de crianças e adolescentes.

Na entrevista, a Dra Sylka explica quais são os principais problemas causados pela obesidade, como preveni-la, a importância do papel da família e a quais sinais de alerta devemos ficar atentos. Confira:

A obesidade infantil é um problema sério? Por quê?

Obesidade é um problema muito sério de saúde, principalmente quando ela começa na infância, porque ela aumenta os riscos de doenças cardiovasculares, as chances de a criança ter problemas com o colesterol, com o triglicérides, uma síndrome metabólica e também aumenta o risco de diabetes, tanto na adolescência quanto na idade adulta. Então obesidade na infância é um problema sério, que deve ser contornado e evitado desde os primeiros anos de vida.

Quais as causas da obesidade infantil?

A causa é complexa e com vários fatores etiológicos, desde fatores genéticos, que podem começar já no pré-natal, como na idade infantil, com a introdução de alimentos. A criança sedentária também tem uma grande chance de se tornar uma criança obesa. Existe uma correlação e estudos mostrando que quanto mais tempo a criança fica em frente à televisão, ou seja, sedentária, mais ela se expõe ao risco de obesidade. Então não é uma causa só. Há uma complexidade na geração da obesidade.

Uma criança obesa será um adulto obeso?

A presença de obesidade em um dos pais aumenta a chance de a criança ser obesa no futuro. Com os dois pais obesos, as chances são de 80% de essa criança também se tornar obesa na vida adulta. Não só a obesidade pode ser herdada, mas também o padrão como a gordura se distribui no corpo. Eu quero dizer que se os pais têm predominantemente uma obesidade abdominal, a criança também herda a chance de desenvolver uma obesidade, um aumento de gordura que se localiza mais no abdome. Evitar que a criança desenvolva obesidade, evita também que ela repita o padrão de distribuição de gordura dos próprios pais.

Todos sabemos que a obesidade não é uma questão meramente estética. Quais problemas de saúde ela pode causar para uma criança, tanto sob o aspecto físico quanto emocional?

E obesidade não é uma questão meramente estética. Além das questões psicológicas – as crianças hoje sofrem muito bullying em relação ao peso -, a gente tem as questões físicas. Problemas articulares, ou seja, desenvolvimento precoce de dores e problemas nas articulações, diabetes, síndrome metabólica e risco de aumento das doenças cardiovasculares na vida adulta são algumas das questões a que as crianças estão expostas com a obesidade. E a questão social e psicológica também é muito impactante na vida da criança, principalmente, vivendo hoje em uma sociedade que cultua a magreza, o corpo perfeito e a saúde.

Como saber se uma criança está obesa? Qual a diferença entre estar “gordinho” e estar obeso?

Diferentemente do adulto, em que a gente pode avaliar a obesidade só aplicando o IMC (Índice de Massa Corporal), que é o índice em que eu avalio o peso em relação à altura, na criança, a gente tem de avaliar essa relação do IMC e colocá-la dentro de uma curva especial de avaliação de crescimento. Se esse IMC estiver acima do percentil 85, a criança é considerada com sobrepeso e, acima do percentil 97, com obesidade.

Quando a criança está um pouco acima do peso, já é hora de tomar providência? A tendência é piorar, ou seja, o peso continuar aumentando?

Uma criança deve ser avaliada pelo seu aspecto de saúde, então o peso aumentado já é sim um risco para as doenças. Se nada for feito para que a gente mude esse ambiente no qual a criança está – e eu estou falando especificamente do sedentarismo e de maus hábitos alimentares-, ela vai desenvolver um grau de obesidade e, se nada for feito, sim, o peso vai continuar aumentando.

Como é feito o tratamento de criança obesa? E qual o papel da família neste processo?

Inicialmente, identificamos os fatores ambientais, que possam estar levando essa criança ao sedentarismo e a erros alimentares. Avaliamos também a questão social. Crianças que têm pouco acesso a alimentos saudáveis, ou seja, que estão submetidas a um regime alimentar de alimentos ultraprocessados, também têm risco para a obesidade. Se a gente atuar nesses fatores, já está fazendo uma prevenção da obesidade. A partir dos 12 anos, nós já temos algumas medicações que foram aprovadas para o uso em crianças, principalmente em adolescentes. Em crianças que estão muito acima do peso, em que se percebe um insucesso muito grande do tratamento clínico, a gente deve fazer uso dessas opções terapêuticas. A família tem um papel extremamente importante, pois é na família que se desenvolvem hábitos alimentares mais saudáveis.

Quando os pais devem ficar preocupados com o peso dos filhos?

Sempre, desde que são recém-nascidos, promovendo a amamentação materna, que é uma maneira de prevenir a obesidade. Durante a introdução alimentar, também devem expor a criança a alimentos mais saudáveis e, sim, continuar observando o quanto de peso ela ganha durante o ano. A criança, dos quatro até os 10, 12 anos, no início da puberdade, deve ganhar de um a dois quilos por ano e crescer de quatro a seis centímetros por ano.  Então é necessário observar como esta criança está ganhando peso, como ela está se desenvolvendo. Esta é uma maneira de os pais estarem alertas em relação à presença da obesidade.

Qual alerta para os pais de crianças obesas?

O alerta é identificar esse ganho de peso anual, estimular a criança a uma vida saudável, à prática de atividade física, não só atividade física programada, mas também de atividades não programadas, como brincar ao ar livre, ter brincadeiras ativas, menos tempo sentado em frente à tela de computadores, à televisão, menos tempo no celular… tudo isso são maneiras que os pais podem contribuir para que a criança se desenvolva de um modo mais saudável.

De que forma podemos prevenir a obesidade?

Algumas formas de prevenir a obesidade infantil são garantir um bom pré-natal para as mães. A gente sabe que crianças filhas de mães obesas têm mais chances de também se tornarem crianças obesas; evitar alimentos ultraprocessados na infância, estimular alimentação saudável, alimentação natural e evitar longos períodos de sedentarismo.

Anúncios

Notícias Recentes

Clube dos Médicos está com inscrições abertas para aulas de tênis

Clube dos Médicos está com inscrições abertas para aulas de tênis

Podem participar associados ou não, a partir dos quatro anos de idade; há opções aulas individuais ou em grupo O Clube de Campo da SMCC está com inscrições abertas para as aulas de tênis. Podem participar associados ou não, mas associados possuem valores exclusivos e...

Matrículas para cursos de idiomas vão até 28 de janeiro

Matrículas para cursos de idiomas vão até 28 de janeiro

Estão disponíveis aulas de inglês, italiano e espanhol, do básico ao avançado A SMCC prorrogou as inscrições para os cursos de idiomas do primeiro semestre de 2022 para o dia 28 de janeiro. Associados, dependentes e não associados poderão fazer cursos de inglês,...