Maio Roxo – Doenças inflamatória intestinais estão cada vez mais comuns

10 maio, 2021 | Notícias

Apesar de não terem cura, essas doenças podem ser tratadas com medicamentos e mudanças no hábito de vida

Neste mês, é celebrado o Maio Roxo, de conscientização das doenças inflamatórias intestinais, sendo as mais comuns a doença de Crohn e a Retocolite Ulcerativa. Estas doenças são causadas por distúrbios imunológicos e de causa ainda não completamente determinada. O coloproctologista Dr. Claudio Saddy Rodrigues Coy, do Departamento Científico de Coloproctologia da SMCC (Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas) e prof titular de Coloproctologia da FCM UNICAMP, explica quais são os sintomas, os critérios diagnósticos e o tratamento dessas doenças.

De acordo o Dr. Coy, a causa exata das doenças inflamatórias intestinais é desconhecida, mas especula-se que agentes, que podem ser infecciosos ou mesmo dietéticos, causam uma inflamação no intestino que deveria ser limitada, mas que, em algumas pessoas mais suscetíveis, não cessa e torna-se crônica. “A incidência nos últimos anos tem aumentado mesmo em populações em que essas doenças eram mais raras, como em alguns países asiáticos e até no Brasil”, comenta. “Fatores como tipo de parto, amamentação, exposição a antibióticos na infância ou mesmo mais tarde, mudanças de hábitos alimentares, com maior consumo de alimentos processados, e tabagismo podem explicar esse aumento do número de casos”, explica. Em alguns grupos étnicos, a ocorrência pode ser bastante alta, o que evidencia também um caráter genético.

Essas doenças não são contagiosas e não podem ser prevenidas, mas costumam ser mais comuns em países industrializados e em regiões urbanas, portanto, o meio ambiente tem uma grande influência. “Hábitos saudáveis, como atividade física, controle de peso, dieta balanceada rica em fibras e com poucos alimentos industrializados estão associados a menor ocorrência destas doenças. Tabagistas portadores de Doença de Crohn, apresentam manifestações mais graves e um controle clínico mais difícil”, esclarece.

Entre os sintomas mais comuns, estão diarréia, dor abdominal, anemia e emagrecimento. “Como são doenças imunológicas, existem várias manifestações extraintestinais, como dor articular, acometimento em pele e até oculares. É importante salientar que as manifestações são variadas, muitos pacientes apresentam formas leves”, comenta o médico.

O diagnóstico é feito por meio da história clínica e do exame físico. Exames complementares também são importantes, como a colonoscopia com biópsias, exames para avaliar o intestino delgado e exames laboratoriais para identificar anemia e desnutrição. “Existe, ainda, um exame de fezes que identifica a presença de inflamação intestinal e que ajuda, em casos de diarreia crônica, saber se ela é causada por doença inflamatória intestinal”, orienta.

Por serem doenças consideradas crônicas, não possuem cura, mas se o paciente seguir as orientações e utilizar os medicamentos recomendados pelo médico, poderá ter uma vida normal. Segundo o Dr. Coy, existem diversos medicamentos que tratam essas doenças. “E a partir da década de 90, ocorreu um grande avanço terapêutico com o desenvolvimento de drogas biológicas, que surgiram a partir de um melhor conhecimento dos mecanismos que causam a inflamação nessas doenças”, diz. Ele explica que essas drogas inibem, por meio de anticorpos, substâncias associadas com o processo inflamatório. Muitas, inclusive, estão disponíveis no SUS (Sistema Único de Saúde). “Medidas complementares, como controle de peso, hábitos alimentares adequados e apoio psicológico também são muito importantes. O tratamento deve ser multidisciplinar e envolve outros profissionais, como nutricionistas e psicólogos”, finaliza o coloproctologista.

Notícias Recentes

SMCC promove evento sobre assédio no ambiente de saúde

SMCC promove evento sobre assédio no ambiente de saúde

Encontro será no dia 20 de junho para profissionais da área de saúde A Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas (SMCC) realizará no próximo dia 20 de junho, das 19h às 21h, um evento importante para profissionais de saúde: "Assédio no ambiente de saúde: como...