Dário Saadi descarta lockdown clássico e estuda antecipar feriados

19 mar, 2021 | Notícias

Anúncio foi feito no Fórum da SMCC, que debateu o colapso na saúde e os desafios da pandemia

O prefeito de Campinas, Dr Dário Saadi, descartou a possibilidade de fazer um lockdown clássico na cidade e disse que estuda a possibilidade de antecipar feriados, a exemplo do que acontecerá na cidade de São Paulo. O anúncio foi feito ontem à noite, na 19ª edição do Fórum da SMCC, que reuniu virtualmente 20 representantes da SMCC, prefeitura, instituições de ensino e hospitais da RMC (Região Metropolitana de Campinas), que, por três horas, debateram o colapso da saúde na região.

Confira os detalhes
Assista ao fórum na íntegra, no canal da SMCC no Youtube https://cutt.ly/KxiqbHE
Ouça o podcast no Spotify https://cutt.ly/bxu4Cho

Além do Dr Dário, o evento contou com a participação do secretário de Saúde de Campinas, Dr Lair Zambon, de 14 hospitais de Campinas e região, de duas instituições acadêmicas e de membros da SMCC. A presidente da entidade, Dra Fátima Bastos, e o vice-presidente, Dr José Roberto Franchi Amade, foram os anfitriões da noite. O diretor comercial e de marketing, Dr Marcelo Amade Camargo, fez a moderação do evento, e o coordenador do Departamento de Infectologia, Dr Rodrigo Angerami, foi o responsável por uma das avaliações finais. Ao todo, 20 pessoas participaram dos debates, que tiveram cerca de 700 expectadores simultaneamente no Zoom e no canal da SMCC no Youtube. Para o Dr Amade, que recepcionou o prefeito do evento, este foi um “fórum histórico”, tamanha a importância das discussões realizadas.

O prefeito explicou que, apesar de entender a necessidade de conter a transmissão do vírus, um lockdown clássico, que inclui a suspensão do transporte público, poderia impactar diretamente no atendimento à saúde, já que dos 60 mil profissionais de saúde da cidade, cerca de 25 mil atuam diretamente na assistência e, desses, muitos não têm carro. Outro ponto apontado por ele é que a falta de ônibus também pode atrapalhar o bom andamento da vacinação e o acesso das pessoas a serviços de saúde.

Uma das alternativas que devem ser discutidas hoje, em uma reunião com os prefeitos da RMC, é a antecipação dos feriados. “Amanhã (hoje), eu vou tentar convencer os prefeitos da Região Metropolitana a fazer um toque de recolher. Nós vamos também discutir a antecipação de feriados. A gente vai fazer o que é possível”, afirma o prefeito, que, durante o evento, falou sobre a abertura de leitos, as medidas adotas pelo município e as dificuldades de quem está sendo economicamente afetado pela pandemia.

O diretor-presidente da Maternidade de Campinas, Dr Marcos Miele, reforçou a preocupação com a falta de transporte público. Segundo ele, uma pesquisa informal feita com os funcionários da Maternidade apontou que 75% deles não teriam condições de ir trabalhar.

O secretário de Saúde lamentou o recorde de mortes por covid-19 na cidade ontem, quando foram registrados 30 casos, e disse que a situação deve piorar nos próximos dez dias. “A pandemia vai piorar nessa próxima semana e nós temos que ficar preparados para o que vai acontecer. Já tem existido óbitos na porta. Todos estão assistidos por enquanto, mas não sei por quanto tempo ainda. Eu acho que nos próximos 10 dias, as coisas vão ficar piores, infelizmente. Nós não temos nenhum indicador hoje de que a cidade vai melhor”, lamenta.

Apesar desse cenário, segundo ele, não existem condições de Campinas fazer um lockdown. “Os próprios usuários, para procurar o sistema público, teriam uma dificuldade imensa. Muita gente ficaria doente em casa. Os bancos de sangue estão com estoque muito baixo. Numa restrição muito importante, eles seriam muito prejudicados. É um contexto dificílimo”, destaca. Além disso, Dr Zambon ressaltou que nem todos os municípios iriam aderir à medida. Na avaliação da prefeitura, para que o lockdown seja eficiente, é necessário que toda a região o adote.

Zambon destacou, ainda, um problema que foi apontado por todos os representantes de hospital que estavam presentes: o risco de desabastecimento de medicamentos usados em pacientes que necessitam de intubação, já que o Ministério da Saúde requisitou o estoque de uma indústria de medicamentos; a falta de oxigênio e a dificuldade para comprar insumos. O superintendente do HC da Unicamp, Dr Antônio Gonçalves de Oliveira Filho, declarou que seu estoque de remédios usados em pacientes intubados é suficiente para seis dias.

Giro nos hospitais:

Durante o debate, foi realizado um giro nos hospitais para que todos pudessem dar um panorama da situação atual. O giro começou pelos hospitais das cidades vizinhas a Campinas, com a participação do Dr José Carlos Mota, diretor-técnico do Hospital Augusto Oliveira Camargo HAOC, de Indaiatuba; Dr Rene Penna Chaves, diretor-presidente do Hospital Mun. Walter Ferrari, de Jaguariúna; e Dra Adriana Feltrin, infectologista do Hospital e Maternidade Galileo, de Valinhos.

Antes de abrir para os representantes de Campinas, o diretor comercial e de marketing da SMCC avaliou que a região enfrenta hoje consequências de más políticas em saúde, como as praticadas por algumas cidades, principalmente as menores, que, no passado, não investiram para organizar um sistema de saúde. “Hoje a gente sofre consequências de políticas passadas da área de saúde em que cidades menores, por exemplo, não se preocuparam em investir na sua própria estrutura de saúde, e o investimento, muitas vezes, era comprar uma ambulância para levar pacientes para cidades vizinhas. Em uma situação dessa de caos, esta cidade não consegue oferecer um atendimento mínimo, com dignidade, para seus cidadãos, que são pagadores de impostos”, critica.

O giro continuou com o Dr Carlos Arca, diretor-presidente da Rede Mário Gatti; com Dr Antônio Gonçalves de Oliveira Filho, superintendente do HC da Unicamp; com o Dr Flávio Simeon, coordenador do Pronto-Socorro do Hospital e Maternidade Celso Pierro (Puc Campinas); com o Dr. Bruno Araújo, diretor técnico da Casa de Saúde; com o Dr Aguinaldo Catanoce, diretor técnicos do sistema Vera Cruz; com o Dr Luís Gustavo Cardoso, coordenador médico do Pronto Atendimento do Hospital Centro Médico; Dr Átila Vendite, diretor-técnico do Hospital e Maternidade Madre Theodora; Dr Murillo Almeida, provedor da Santa Casa/Hospital Irmãos Penteado; Dr Marcos Miele, diretor-presidente da Maternidade de Campinas; Dr Ubertinele Fraga, diretor médico do Hospital Santa Tereza; Dr Jayme Malek Junior, diretor do Hospital da Unimed; e o Dr Amade, que além de vice-presidente da SMCC, também estava representando a Associação dos Day Hospital de Campinas.

De forma geral, todos os hospitais enfrentam os mesmos problemas: 100% de ocupação de leitos de enfermaria e UTI´s (em alguns casos, até mais), dificuldade de ampliação de leitos por questões de equipe, estrutura e orçamento, corpo clínico exausto, escassez de insumos e medicamentos, aumento de tempo de internação de pacientes, redução da faixa etária dos casos graves, aumento de casos em crianças e falta de perspectivas para os próximos dias, que devem ser piores do que os atuais.

Diante das dificuldades apresentadas pelos hospitais nessa crise, Camargo aproveitou para fazer um esclarecimento. “Existem algumas ‘fantasias’ que alguns na população em geral tem, de que leito de UTI é apenas uma cama. Tem toda uma estrutura como rede de gás, equipamentos, insumos; não é só um lugar para o paciente deitar e colocar oxigênio. Você precisa ter toda a infraestrutura necessária. Da mesma forma, alguns falam ‘põe lá qualquer médico’, mas um médico não cuida de tudo. É uma questão de limitação na capacitação, de treinamento. Se você colocar um médico na UTI que não foi treinado para ser um bom intensivista, o desfecho não vai ser bom”, pondera.

Análises finais

Defensor de um lockdown para conter disseminação da doença, o epidemiologista Dr André Ribas Freitas sugeriu uma parceria com as empresas de transporte para viabilizar a ida e a vinda de funcionários que trabalham na saúde. Ele justificou que como a transmissão desta nova variante do vírus está 60% maior que no ano passado, o isolamento precisaria acompanhar esse mesmo crescimento. “Na minha avaliação, o lockdown é inevitável”, diz. Também alertou que é necessário abrir leitos em todos os locais possíveis porque os casos das próximas semanas devem ser maiores que os atuais e, por isso, não será possível atender todos os pacientes com a estrutura de hoje.

O coordenador do Departamento de Infectologia da SMCC, Dr Rodrigo Angerami, destacou que não é possível prever até quando vai o colapso e que apenas abrir novos leitos não controla a transmissão. “Nós vamos ter que ter movimentos concomitantes para interromper a transmissão e dar vazão ao contingente de infectados que se avolumou”, afirma. De acordo com ele, na primeira onda da pandemia, um leito era suficiente para até dois pacientes no mês, mas isso não está acontecendo mais, já que o paciente fica mais tempo internado. Por isso, ele defende uma otimização de leitos, com a definição de novos protocolos.

Encerramento

A presidente da SMCC, Dra Fátima Bastos, encerrou o fórum e lembrou que estamos vivendo uma “operação de guerra” e que todo mundo tem de se unir. “A classe médica precisa se unir para apoiar as medidas mais restritivas que devem ser tomadas, e também precisamos nos apoiar em relação aos próprios hospitais”, finaliza.

Os relatos e as situações individuais de cada hospital podem ser conferidos
No canal da SMCC no Youtube https://cutt.ly/xxu8q5O 
E podcast no Spotify https://cutt.ly/bxu4Cho

Notícias Recentes

SMCC alerta para riscos da chikungunya chegar a Campinas

SMCC alerta para riscos da chikungunya chegar a Campinas

SMCC alerta para riscos da chikungunya chegar a Campinas Enquanto a atenção pública está focada na batalha contra a dengue, que se tornou um sério problema de saúde, a Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas (SMCC), atenta ao atual cenário, está emitindo um...

Share This